Doenças da Uretra

Estenose de uretra

A uretra é um canal que comunica a bexiga com o meio externo passando através da próstata e do pênis. A estenose de uretra, ou estreitamento uretral, é a obliteração completa ou incompleta deste canal podendo ocorrer após cirurgias prostáticas, uso de sondas, traumatismos genitais, balanite xerótica obliterante e doenças sexualmente transmissíveis.

Geralmente, o paciente sente dor ao urinar, jato urinário fino, sensação de esvaziamento vesical incompleto, aumento da frequência urinária e micções noturnas frequentes. Casos extremos podem ocasionar retenção urinária aguda.

Tratamento da Estenose de Uretra

De uma forma geral, o tratamento para a estenose de uretra é cirúrgico, sendo as principais modalidades:

    • dilatações uretrais: método antigo, utilizado somente para casos extremos;
    • uretrotomia interna: método no qual a área estreitada é aberta internamente, com o auxílio de um endoscópio. Esta técnica também está em desuso devido às altas taxas de recidiva (reaparecimento) da estenose;
    • uretroplastia término-terminal: modalidade na qual a área estreita é completamente removida e costurada entre os dois seguimentos uretrais sadios. Esta técnica é a que oferece os melhores resultados, mas só pode ser usada em estenoses menores;

Uretroplastia término-terminal como tratamento de estenose de uretra

    • uretroplastia substitutiva: modalidade indicada para estreitamentos maiores, em que a área estreitada é substituída por tecidos do corpo do próprio paciente. Os tecidos mais utilizados são a mucosa da boca (pele que reveste internamente a boca) e o prepúcio (pele que recobre o pênis).

Uretroplastia substitutiva com o tecido da mucosa de boca como tratamento de estenose de uretra
Uretroplastia substitutiva com o tecido da mucosa de boca como tratamento de estenose de uretra
alt=

Caso esteja apresentando alguns dos sintomas citados ou já tenha o diagnóstico de estenose de uretra, procure imediatamente um profissional capacitado. O Dr. Luiz Augusto Westin, médico especializado em urologia reconstrutora no Rio de Janeiro, possui vasta experiência no assunto.

Hipospádias

A hipospádia é uma doença congênita onde o meato uretral não está localizado na ponta do pênis, podendo ou não ser acompanhada de curvatura peniana (pênis torto). O meato uretral pode estar localizado em qualquer ponto entre a glande (cabeça do pênis) e o períneo, próximo ao ânus.

O melhor momento para a correção cirúrgica das hipospádias é na infância, porém, na idade adulta, é muito comum encontrarmos pacientes com hipospádias operados múltiplas vezes e apresentando complicações como estreitamento da uretra, fístulas urinárias (drenagem de urina por um orifício não natural), encurtamento e/ou deformidades penianas entre outras. As múltiplas cirurgias e suas complicações levam, sem dúvidas, a transtornos biopsicossociais, dada a importância do pênis para nossa sociedade.

O tratamento das hipospádias, sejam elas multioperadas ou não, é sempre multidisciplinar, tendo a equipe de saúde mental papel fundamental na decisão do tratamento em conjunto com o paciente e o médico assistente.

Quando o tratamento cirúrgico está indicado, diversas técnicas podem ser utilizadas, como rotação de retalhos de prepúcio (pele do pênis), enxertos com mucosa de boca e técnicas para correção da curvatura e alongamento peniano. Todos os esforços são feitos para devolver a funcionalidade do pênis com a melhor estética o possível.

Nos dias atuais, a exposição da região genital vem se tornando cada vez mais frequente. A função e a estética desta região merecem mais atenção. Para isso, basta deixar o receio de lado e procurar um bom profissional, como o Dr. Luiz Augusto Westin, especializado em diversos tratamentos em urologia reconstrutora no Rio de Janeiro.

Marque uma consulta