Notícias

Curiosidades sobre a prótese peniana

Curiosidades sobre a prótese peniana | Dr. Luiz Augusto Westin

A invenção da prótese peniana foi considerada uma revolução no tratamento da disfunção erétil grave e completa 48 anos em 2021. Naquele tempo, a disfunção erétil tinha como principal etiologia, as causas psicológicas, também chamadas de disfunção erétil psicogênica. Nos anos 90, com a descoberta dos inibidores da PDE 5, como viagra, cialis e levitra, mais atenção passou a ser dada às reais causas da disfunção erétil e descobriu-se que tal disfunção tinha as principais causas abaixo:

Causas Vasculogênicas 

É quando ocorre algum problema que afeta o fluxo sanguíneo do pênis. Geralmente, é associada à Hipertensão, Diabetes, Obesidade, aumento do colesterol e triglicerídeos no sangue e também outras doenças crônicas como a insuficiência renal, hepática, doenças do coração, entre outras.

Causas neurogênicas

É quando ocorre algum problema nos nervos que induzem a ereção. Geralmente, acontecem em pacientes com Diabetes ou naqueles que fizeram cirurgia para a retirada de um na câncer de próstata.

Causas hormonais

Quando os níveis de testosterona no sangue estão baixos, há uma diminuição da libido, o que acaba afetando diretamente a qualidade das ereções. Ocorre em paciente com DAEM (Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino) ou ainda em pacientes que removeram um ou ambos os testículos pelos mais variados motivos, seja por câncer, trauma ou doenças congênitas.

Prótese peniana como um dos tratamentos para disfunção erétil

Uma vez diagnosticada, o tratamento inicial de qualquer paciente com disfunção erétil passa obrigatoriamente por mudanças no estilo de vida, como perder peso, fazer exercícios, abandonar o tabagismo e realizar o tratamento da doença de base (doença que está levando o paciente a ter a impotência sexual). Iniciamos, então, a primeira linha de tratamento com drogas orais de uso diário ou sob demanda (30 minutos antes do ato sexual).

Quando, ainda assim, não ocorreu a melhora do problema, podemos lançar mão da segunda linha de tratamento, feita com drogas injetáveis. Quando o paciente não se adapta ao tratamento ou quando ainda assim a resposta não é adequada, oferecemos a terceira linha de tratamento, que é a prótese peniana, que é considerada como o tratamento definitivo da disfunção erétil. Sendo assim, 3 a 4% dos homens com disfunção erétil optam por um implante de prótese peniana, seja ela a semirrígida ou a inflável.

Prótese peniana é indicada em diversos casos

A prótese peniana não se destina somente ao tratamento de homens com disfunção erétil, sendo também indicada nos seguintes casos:

  • Disfunção erétil não responsiva às drogas orais e/ou que não se adaptaram às drogas injetáveis intracavernosas (medicamento injetado no pênis);
  • Homens com diagnóstico de curvatura peniana (Doença de Peyronie) associada à disfunção erétil;
  • Pacientes com deformidades penianas severas ou com grave encurtamento peniano ocasionado pela Doença de Peyronie;
  • Tratamento definitivo do priapismo isquêmico (ereção, em geral, dolorosa, mantida por mais de 6h, não relacionada a estímulos sexuais);
  • Reconstrução peniana em homens amputados;
  • Readequação genital em homens transexuais;
  • Homens que têm o desejo de um aumento do tamanho do pênis.

 Informe-se sobre a prótese peniana 

Na maioria das vezes, a falta de informação é a principal causa para a recusa de um dispositivo tão seguro como a prótese peniana. Seguem algumas  orientações importantes para auxiliar na decisão:

  • A prótese peniana é considerada o tratamento definitivo da disfunção erétil;
  • O procedimento é relativamente simples e seguro, demandando um período de internação médio de 24h;
  • Na maioria dos casos, os convênios médicos arcam com os custos hospitalares e do dispositivo semirrígido;
  • Dispositivos infláveis não têm cobertura pelas seguradoras de saúde, salvo em situações específicas;
  • Ela não altera o orgasmo e a ejaculação;
  • A sensibilidade peniana é mantida, no longo prazo;
  • Os implantes não afinam e também não diminuem o pênis;
  • Dependendo da técnica utilizada, é perfeitamente viável ter uma ereção sobre uma prótese previamente implantada;
  • Não é necessário realizar trocas periódicas das próteses, salvo se ocorrerem problemas mecânicos;
  • O risco de infecção é de 1 a 2%;
  • É possível implantar uma prótese semirrígida e também as infláveis utilizando técnicas de alongamento e engrossamento peniano, com ganho médio de 2 a 3,5 cm em comprimento;
  • É possível associar técnicas de engrossamento em conjunto com o implante de uma prótese;
  • É perfeitamente possível realizar o reimplante de prótese peniana em paciente que perderam uma ou ambas as hastes por qualquer que tenha sido o motivo (extrusão, infecção, rejeição….). Porém, quanto mais precoce for a cirurgia, maiores são as chances de sucesso.

Quanto maior a experiência do urologista, maiores são as taxas de sucesso de um implante de prótese peniana

O urologista com especialidade em reconstrução genital, sem dúvida alguma é o profissional mais capacitado para o implante de uma prótese peniana associado a refinamentos técnicos para alongamento e engrossamento da haste peniana. O Dr. Luiz Augusto Westin é um urologista especializado em urologia reconstrutora com vasta experiência e qualificação com formação cirúrgica e urológica pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Entre em contato e agende uma consulta!

Leia mais notícias

Comunicado

WhatsApp